quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Bicho Incomum



Depois do depois de borrar o batom,
De esquecer  as chaves e a  hora
E ter os olhos molhados de Drummond,
Perdi a condução, a rima e a razão.

Aliás, Senhor, confesso:
 não sei muito da elegância de um verso.

Brinco de recriar a narrativa do cotidiano
Com as palavras vadias do Jornal
Um noticiário particular fantástico!
Onde finais felizes - no esforço do contrário

não são lá  mui raros…

Sonho demais.
Acredito na efemeridade dos milagres
Vivo o hoje, mas sei olhar para trás
Com o coração enternecido da paisagem…

Bicho incomum, depois de ler um ou dois Garcias
Dei de olhar a mística do Universo!
Não comovo com o ordinário
vivo entre as estrelas e a mágica infinita

Dos excessos.

 #


·    
LUZ!

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Divagações de fim de tarde e um café. ( Filosofia do Boteco da Lua)



O carro da esquina buzina, o  relógio ecoa um monótono tique-taque. Da janela embaçada do café, vejo cair um morno fim de tarde. Hoje, 21.11.2017, mulher ao espelho: Caucasiana, 1.59, cabelos avermelhados. Na bolsa, C.I e outros dados.  A este conjunto de pequenas afirmações materiais, entre slogans e dados, chamam de identidade.

Confesso, isso sempre me inquietou. Recordei agora, meio que por instinto, do filme “O sorriso de Mona Lisa’’, que tinha como personagem principal uma professora, interpretada por Julia Roberts.  A primeira coisa que chamou-me ao filme, foi o título: o tão estudado, metrificado e explicado, ainda assim misterioso, riso de Mona Lisa. Em um dado momento, após uma divagação, a personagem diz: ‘ olhe para ela. Ela parece feliz? Ela não está feliz’.

A primeira vez que refleti sobre a frase, imaginei o triste óbvio da informação. De fato, Mona Lisa não parecia tão feliz. Sob a luz diáfana, seus olhos não riem. Mas, com o passar dos anos, percebi que… talvez ria sim. Quem sabe cabe a cada um de nós o riso ou a tristeza que atribuímos à moça. Monalisa mesmo, a pessoa que emprestou sua estética para o pintor, terá sempre o mistério e a bênção de ser própria.

Quanto a mim,  é bem verdade que não sei exatamente  quem sou, pois ser Pessoa, bem

sabia Fernando, é ser muitos em um. Sei que em mim  mora a menina que  costumava sentar no colo dos pais e brincar na rua de terra batida com os primos. Há a adolescente que lia e devorava de folhetins adolescentes, do tipo Sabrina a  Kafka, Dostoiévski e Rubem Alves, entre tantos outros, que fizeram comigo a travessia para a fase adulta.


Que aprecia abraços, recebe com alegria tudo que é diferente, apesar dos dias, que caem iguais, e  destas ‘pessoas  cinzas, normais’, que passam, assinam o ponto, vendem a alma com desconto e fingem ser gente… enquanto isso, a tarde vai.

E o que eu era de manhã já não sou mais, nada acompanha a estética do momento, que é mais sutil e voraz que toda a ótica do tempo. Simbolicamente, em mim, carrego esta multidão. Deve ser por isso a referência bíblica a demônios: temos todos os nossos, o fogo de ‘se ser’.

E talvez por isso a modernidade, nosso acelerado, a quebra das convicções mais singelas, as distopias, tantas produções cinematográficas de super-heróis: para salvar e sermos salvos. Mas, de repente, algo delicioso aparece no roteiro alucinado desta epifania e,  na simplicidade minha multidão silencia e cai em ‘nós’… um café e a breve satisfação, sensação cheirosa e quente de ser inundada, preenchida. Sei que o apelo parece quase sexual. Aliás, já li algo a respeito em Rubem Alves sobre esta interligação de prazeres, que ‘ ao outro lado’, chamamos ‘comer’.


Sei que não é fácil rimar tantos anos e danos, entre vidas e corações entrecortados – todo mundo é um furacão. Mas, num breve instante, é possível sorver um pedaço da incrível 'dor e delícia' de me ser, engolir o calor do mundo e sentir tudo que mora em mim… repousar.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Delírio


Sonhei que Deus
dançava na espuma do mar
Nos braços encantados de Iemanjá
Que Buda e Jesus contemplavam o luar

E todo o infinito era bom,

E a gente podia voar
Se amar com verdade estelar
E que era possível brincar
De ser ainda mais feliz...

Sonhei que as estrelas caíam
Sob os cabelos de Tupã
e que haviam mil formas de oração
e de encontrar com os meus...

E que, numa rua deserta
numa esquina qualquer 
entre o céu dos poetas
Ele ria e esperavas um abraço meu...

E que aos amores muito amados
Encontros universais e raros
cultivados no raiar de muitas vidas
 nunca mais haveria despedidas!

#

Percepções





Em meus braços, cabe o espaço
cores de tudo que enlaço
Cotidianamente:

Direções que aceito seguir,
Sementes que planto,
Abraços que doo
Poemas que acalanto…

Meus braços trazem  essas mãos,
Molhadas da tempestade do último verão
E das marcas de tinta e batom
Com as quais dou de colorir a vida,

Arco de afago e acolhida
Porto para o corpo dos meus amores,
Seus calores e odores,
Sabores de amor no olfato e na pele…

Meus braços dão o que são: Calor e verdade.
Paisagem concreta, poesia dispersa,

Abertos ao toque da vida
e suas incríveis descobertas!

#



terça-feira, 31 de outubro de 2017

"Raros!"

Totalmente loucos,
Resolveram estar juntos
E, imperfeitos um para o outro
são felizes no presente!
Sem a eternidade do “para sempre”
Livres!   límpida força pungente...
Porque perfeição é conceito precário
Pois o natural é vário
e o amor um encontro de  raros...#
essa imagem merecia um poema,vc não acha? =D
*Poema de Outubro de 2011.
Sem tanta métrica ou estética, ainda é meu poema  favorito.
Entre as coisas mais bonitos da vida, estão os amores raros, desiguais e únicos.
Sem eles, a vida seria ordinária.O tempo, ordinário.
E até o poema teria menos belo.

LUZ!

Matinais!

Imagem: Katerina Plotnikova.

Gosto de comer teus olhos
Assim, logo de manhã
Quando se abrem sorridentes
Para a vida.

Da alegria
Dos teus dentes tortos
Do beijo sabor melancia
E dos habituais bons dias...

Bendigo as coisas simples
Nossa rotina sem muito drama
A gente se ama
E se quer bem

E contigo aprendi que isso é amor: 
Essa coisa macia, à vontade
Essa chama que só arde
Quando meu corpo se enamora do teu...

E foi de rir de tuas piadas prontas
E caminhar pelo teu céu com pouco inferno
Que em uma manhã de domingo
Percebi a sorte desse encontro
E o tanto que te quero...#

*Poema antigo, republicado, pois foi, de longe, um dos poemas que mais gostei de escrever.

A imagem é  sugestão do poeta Amapaense e amigo, Marven Junius Franklin, que gentilmente publicou em sua rede social este poema, associada à esta imagem. 

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Dos enternecimentos



Bicho selvagem,
Coração vadio!
Vive de enternecer 
para o que é raro:

A asa da borboleta,
o cio outonal da primavera
E até amores-imperfeitos
Cultivados no jardim.

Ah! Jardim...
Emoções impregnadas de terra e suor
É que o sol, feito o amor
Arde em cada um de um jeito diferente...

E aquela estrela-cadente
Carrega o brilho de um pedido
Ou quiçá,
 a força mais poderosa do Universo:

Um beijo,
Um verso,
Uma mensagem de amor...

#

sábado, 14 de outubro de 2017

Porto de lembranças



Sentimento
Essa ventania
Assopra no peito da gente,

Saudade, 
Maré alta,
Invade e escorre
A rua das lembranças...

De uma tarde qualquer
Entre o azul e o marrom,
Céu e Amazonas,
E as marcas de batom...

Em ti, navego,
Porto distante,
Vento Constante
No meu coração.


domingo, 1 de outubro de 2017

30 de Setembro

Foto: Gilvana Santos.


Vem, amor! 
Beber a liquidez do dia
Seguir o  rastro encantado de fogo
das borboletas amarelas!

Viver o sol de Setembro
 -  Que cai
Enquanto a tarde vai
enfeitada de nós dois...

O vento espalha o equinócio
Luz alaranjada!
E emana o néctar 
da maré adocicada

( A natureza viva
Dança
Sob o dia tropical...)

Vamos assoprar o sol
E acender a lua
Brincar com o agora
Tomar um porre 

de Amazonas!

#

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Das vivências



A gente nunca sabe dizer
O que é tristeza
Até sentir o Rio salgado 
Que agita o peito

Mesmo que o entardecer seja belo
E hajam girassóis - arduamente cultivados
nos canteiros.

Mas a bondade não 
Esta, tem um código imanente 
É óbvia e natural:
Respeitar tudo que é vivente.

Toda potencial alegria 
é resquício de humanidade 
Onde pulsa o verbo, eis o gesto
há amor,verso,beleza e verdade.

A tristeza contagia
como um vírus que nos torna vaga-imundos
Mina o sistema imunológico 
Destrói canteiros 
- desacredita tudo.

A bondade refaz caminhos
É como voltar para casa
E, em meio ao caos e espinhos 
Ganhar um belo par de asas.

domingo, 24 de setembro de 2017

Umas e outras lições de amor em Belchior (Republicado)




Ela não quer que ele aprenda a ser cool
Nem que tire o velho blusão do corpo
Quer tomar um gole do seu copo
Marcar sua boca de batom
 Com um beijo louco.

Ela não quer que ele aprenda inglês
Nem que seja um exímio dançarino
Quer apenas um tango argentino
Correr junto para um mesmo destino…

Ela quer filosofar pequenas teorias
Mas sentir o toque real da borboleta
Quer chorar as dores do mundo
E sorrir de pequenas delicadezas

Ela não quer nem isto e nem aquilo!
Que toda menina sonha
Ao brincar de boneca
Quer ver as luzes da cidade!
Correr perigo com a pessoa (in)certa.



#

Sobre coisas que ela aprendeu por amar Belchior... 
E foi deste coração selvagem que o Poeta, ouvindo músicas que ama, deitado em seu sofá, natural e livre, voou, segundo sua mulher companheira (pelo que agradeço à vida a metáfora poética, pois, já disse Drummond, 'o amor bate na aorta').

Reli e apaixonei-me novamente: https://coisasnovaspradizer.wordpress.com/2012/09/19/o-que-e-belchior/. <3

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Notas sobre o homem que eu amo.



É Setembro e o homem que eu amo gira a roda da vida, no seu Ano-Novo particular, neste dia 14, onde faz 41.

O homem que eu amo é um jornalista talentoso, com verbos fortes e clareza de comunicação. É um filho, neto e amigo amoroso, um cara com justeza ímpar e inteligência curiosa, do tipo que não se acomoda.

Ele tem um humor ácido, um olhar cínico, um sorriso de menino e o gênio de lâmpada acesa demais. Para amá-lo, é preciso compreender que sem toda essa intensidade sentimental,  simplesmente ele, em sua composição própria como indivíduo, não existiria.

O homem que eu amo é um viajante. Entre lugares e pessoas, ele segue a vida, entre conhecer espaços e construir o próprio. Aliás, ele é muito próprio (não ‘a-propriado’, próprio mesmo), como poucas pessoas ainda são, nesse mundo que tenta, a todo custo, dissolver personalidades.

O homem que eu amo é um figura de palavra. Desde os textos que escreve às letras de poemas e canções que publica, diariamente. Tudo nele tem som, barulho, sentido, verbo. Por falar em palavras, algumas fazem parte do que o define: Amor, integridade, intensidade, antítese e ambiguidade (tudo no modo máximo, pois não é de metades).

Ele tem flores e sol dentro de si. Daí ser tão calorento e perfumado e ter isso que ele chama de sorte, mas que qualquer transeunte desavisado percebe que é essa luz particular, que o guia pelos bons caminhos de nosso amigo Deus.


 Pudera, ele nasceu no Cio da Primavera, brindado pelas marés mais bonitas do Equador, onde os ventos do norte sacodem as mangueiras, derramam flores de ipês e trazem aos filhos deste rio o cheiro adocicado de vida bendita, outra forma de dizer "bênção".

Por isso hoje, é abençoado e bendito por todos que o amam, entre eles, por força da teimosa vontade criadora do Universo (risos), Eu!


(Amo-te, pretinho. Feliz TU! Feliz sempre <3)

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Marés de Setembro e Abril


Foto: Floriano Lima

As marés de Setembro  e abril
São as mais profundas e altas!

É que, em Setembro,
Na chegada da primavera ao Equador
Brinca o cio do sol,
das flores e águas.

As folhas das árvores sentem
A dança do vento
E mesmo as chuvas extemporâneas têm o sabor
Adocicado e quente do momento...

As marés de abril 
Intensas e frias, são banhadas de chuvas matinais
E acolhem as sementes plantadas
Enquanto o cinza pinta céus e águas...

Entre o frio e o calor
A mágica equação da vida acontece! 
E dizem até que dela florescem
Amores (im)perfeitos...


#


"Sei que amores imperfeitos
São as flores da estação" <3

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

In love!



Dizem que passa!
Que foge,
Dizem que é flor,
Semente e estrela.

Fogo, canção
E até um certo acelerar 
Do coração! 
Dizem que dói...

Eu, estrangeira de um país vizinho
Digo é saliva, suor
Riso, paixão e vinho,
E é também as pedras do caminho...

(Verso solto, sina, teimosia do destino!)

Dizem que bate da aorta
Que é erva de deixar a alma torta!
Dizem também que quando não mata,
engorda.

E dizem que é lição...
Mas, em meu coração
é sempre rima, poema
Soprar de bolhas de sabão!

Claridade, bênção 
emoção!

#

De ouvir um outro poema sobre o misterioso país do amor.

Velha Santana! (Devaneio saudosista da Sessão Velha Boba)




Recordo como eram bonitos os quintais sem muros e as enormes árvores, entremeando caminhos que levavam a pequenos paraísos, na 'minha' velha Santana. Não à toa, o bairro ganhou o nome de Paraíso. Lá moravam "olhos d´água'', que hoje sei, são as chamadas  áreas de ressaca ou áreas de resfriamento da cidade.

Mas, a verdade é que nunca foram isso. Eram pequenos oásis, em meio ao nada. Não nasceram para “resfriar” a cidade, que visão mais antropocêntrica. Existiam antes da cidade! E a molecada se divertia, às escondidas das mães. Jogavam uma água danada uns nos outros. Era moleque sujo para todo lado, na volta, para encontrar suas mães, ávidas pelo toque das sandálias. E elas “cantavam”.
Confesso que me aconteceu pouco. Coisas da vida. Mas ouvia a ladainha “entoar” pela vizinhança, junto aos gritos da primaradaApesar de danados, ninguém virou infrator. 

Mas a gente era muito 'marginal', sem tablet ou videogame. À noitinha, antes da novela das nove, sagrada para todas as mães, tinha um “Onde eu mandar, vô. E se não for? Apanha um bolo”. E a criançada se divertia para trazer a primeira folha amarela da mangueira do vô, uma 'pedra branca' ou a lua e as estrelas, a depender da criatividade da “mãe”.
Brincávamos também de queimada. De pira-pega. Que pique-esconde. De pira-alta. As meninas, de elástico e amarelinha. 

Se alguém ficasse gripado, na minha família, tomava remédio de mel,copaíba e limão. Biotônico era coisa de rico. Tomávamos 'batidas' exóticas, feitas com ervas daqui. Um exemplo: Mastruz com leite moça, para 'lombriga'. Se tivéssemos febre demorada, éramos levados para aquelas velhas mágicas, as senhoras sábias da floresta,'benzedeiras' da cidade.

Mas, saudáveis, os dias eram cheios  de grandes excursões e éramos os navegadores em busca da descoberta do Brasil, pelos territórios sem limites de uma cidadezinha ainda por se descobrir, como cada um de nós. Recordo disso com grande felicidade. 

Na adolescência,mudamos para Macapá, nossa pequena "cidade grande". Mas confesso que, cada pequeno pedaço daquela história que ficou lá atrás, de uma cidadezinha de céu muito estrelado, ausência de muros e asfalto, onde as pessoas dormiam com as janelas teladas abertas para a noite e as suas madrugadas, ainda faz meu coração bater forte.

Qualquer pequena coisa que faça recordar aquelas ruas de terra batida e casas com quintais cheios de árvores frutíferas e mistérios profundos, onde crianças corriam em busca de incríveis descobertas,  fazem nascer em meus olhos igarapés de saudades. E deixam uma certa tristeza no ar, por aqueles pequenos oásis, que desapareceram com o tempo, para dar espaço a um senhor imperioso, que alguns chamam de capital, outros de  (SUB)desenvolvimento.

Há muitos anos não sou a menina da cidade de Santa Ana, que recebeu meu avô, tios e mãe com generosidade.  Mas é porque fui criança embevecida por aqueles céus estrelados,com pouca boneca e muita natureza, que cresci e gostei de ler, conhecer outros mundos, desenvolver a escrita. Sei que foi para voltar lá e passear pelas margens dos igarapés que meus pés deixaram pra trás, naqueles quintais sem fronteiras!


Jaci Rocha








sábado, 2 de setembro de 2017

Setembro Rock And Blues



Assim,  flores no jardim
Noites claras!
Vem, Setembro
Com teus ventos de Amazonas,
Maré alta!

Adocicado sim
Que o grande amor
Nasce em mim
Em um dia qualquer entre 12 e 14...

Aprendi assim
Sustentar em dois uma alegria,
E sentir o coração 
Não aguentar a poesia

Desaguar...

Viver feliz por duas vidas
Maré alta, noites claras
Imensidão entre entre o marrom e o azul
Poesia viva, som de rock and blues

Vive em mim, Setembro.

Uma Crônica Otimista (Ou a distopia de uma distopia)


Fazia tempo que não o via. O ''artista da fome'' da minha cidade, como sempre 'faminto', caricato e mudo, com sua guitarra interior arranhando a paisagem, para receber aplausos da platéia, que aplaude como quem joga moedas ao chão, por piedade. Por piedade, aplaudo.
Foi talentoso e todo mundo enxerga nele ‘um figura’ com quem se parecia: Ele mesmo, quando tinha um nome. A maioria ao redor não olha de frente para seu rosto, observo. É quase respeitoso o gesto. E constrangedor, de ver a transmutação do artista.
Aos poucos, na sua própria cela interna, ele deixa de ser pessoa e vira apenas o espetáculo, o show.  Não é mais. Deixou de ser, apagou seu nome de si, com a borracha do vício.  Não é um maluco a se divertir e rir de nós, com nossos horários e rituais de socialização. Não se trata disso.  Ele resiste de morrer enquanto desiste de viver.
Ultrapassou a linha. Foi além da margem e caiu no precipício.
Do vício de ser um espetáculo. Do vício da tristeza. Do vício no vício. 

...mas, quase por instinto, reescrevo esta história em minha cabeça. 

Ele levanta de dentro de si, sai da cela, olha todo mundo e diz: vou bem ali, fumar um
cigarro. Volta com a coluna reta. E novamente torna a ter alguma expressividade no olhar. Tem uma noite memorável com as pessoas ao redor, que chama de 'amigas'. Fala que vai investigar gente 'importante' e fazer e acontecer com um pessoal aí. Volto a sentir antipatia por seu trabalho – sim, pois não se sente antipatia por espectros.  Só desperta antipatia quem exerce a arte de “se ser”.
Ele sai de cena para uma matéria super secreta, que tempos depois, vai ajudar a desmanchar uma incrível rede de corrupção no Estado. A partir daí, não o veremos mais. Mas boatos espalharão que virou espião ou correspondente secreto e investigativo de uma emissora de televisão intergaláctica.