sexta-feira, 16 de novembro de 2018

País de Papel


Ele dorme
Sob o teto do céu avermelhado
Parece tão calmo
E tudo está tão frio...

Há flores em seu leito
Fincado de concreto, terra e arbustos
E ninguém parece ver o absurdo...

...o absurdo!

A esquina da 23 de maio é seu lar.
Lá, onde foi apagado com cinza
Parte da história da arte
Na cidade em que arde um Brasil desigual...

Desigual, como o chão que me acolheu a vida
E como tudo que move esse imenso país
Onde gente febril brinca com o bem comum
e pessoas correm p´ra lugar nenhum..

Em busca da justa medida da dignidade
Esse artigo inerente, cada vez mais raro
Onde resistir é fazer e ser
O exercício do contrário...

Ele dorme,

Nós todos dormimos
Nossas próprias dores no país de papel
Porque é da vida tentar encontrar...felicidade!
E, no meio desta cidade

Cada um vive sua própria Liberdade
- e também prisão.

#

* Quando ainda era jovem (sim, eu sou uma velhinha), ganhei do meu pai um livro intitulado "O Cidadão de Papel", do Gilberto Dimenstein. Todas as vezes em que vejo um cidadão dentro do estado de miserabilidade, recordo o quanto somos de papel...é uma pena. 
A vida e até mesmo a pobreza, dentro das grandes cidades, é  diferente, pois é permeada de uma invisibilidade latente, que culpabiliza - como sempre, o mais frágil.
Mas, na minha cidade, ainda não há essa bruta desassociação entre o humano que existe em mim e o que existe no outro....
E isso me recordou a perspectiva de tamanho, de Adélia Prado..."Deus, me dá cinco anos, me dá a mão, me cura de ser grande".


LUZ!!!

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

O Louco


O louco desafia o tempo
E o tempo desvia do louco!


Sufoco: O louco, alheio à hora, caminha,
madrugada adentro...

O tempo não passa para o Louco
Porque o tempo, para ele, não existe!
Mera metáfora aleatória para os passos dados
Ou o sol que veio e se foi em meio ao sangue que cai do noticiário

...Que o louco não vê,
Pois, desconhece: Inflação, Corrupção ou maldade!
Por instinto segue o rito habitual do existir
Sente fome, sede, e vontade...

Essa cidade não está preparada para o amor do louco!

O País do Louco é um lugar de maravilhas
 E liberdade é pouco, seu arbítrio  desconhece medidas
Por isso, uns, desviam, amedrontados de sua exógena figura
Eu, por excesso de candura,

Sinto pena de todo aqueles que,
Alheios ao mistério, se enchem de certezas
e concluem  saber ou entender 
algo a mais que o Louco.

#

* De ver o maluco mais louco da minha cidade, achando que era livre, madrugada adentro, descalço, lívido, sereno...e de pensar quão louca sou de entrar em asas metálicas e achar que também posso voar...para encontrar os olhos com a cor de mel mais lindos do mundo! 
É, existir é que é fantástico. Cada um faz o que pode.
Viver é maior maluquice.
:)


LUZ!

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Mais um ensaio de amor



O amor é aquela segunda-feira de tédio
Ir ao médico e aguardar o tempo de saber se está tudo bem
O amor é beijar alguém com tosse, não ter medo de curar um corte
O amor é tão mais bonito que o poema...

O amor é acolher aquele defeito irremediável
Como parte de nosso próprio edifício
é deixar sarar pequenas feridas do cotidiano
não contabilizar perdas e danos

apenas bem querer...

O amor diz bom dia mesmo quando o dia não está bom
Pede primeiro a Deus pelos passos do outro
é dar e receber conforto
Desse imenso mundo tão assustador...

Amor é profunda intimidade
é gostar de tempestades e pedir sol morninho
Porque a asa de um voo levará o amor
Por um tempo, para fora do ninho...

O amor fala sem palavras
E é tudo que nos faz aprender
É aquela curva perfeita no fim da estrada do dia
Aconchego ao fim de tudo, no tempo e no espaço

é o encontro perfeito de abraços...

Amor é tudo que fica depois que o tempo vai embora
e nos leva junto...é conjunto! 
Daquelas noites quentes e os fios do destino
Que tece, costura  e  modela caminhos!

#

Amar é tudo aquilo que nos trouxe para cá...para aprender, crescer, depois voltar ao lar. 
É mistério e aprendizado, convite ao crescimento. 
É tudo aquilo que nos move e que separa 'o que nunca vai se mover'.


LUZ!

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Ignore este poema bobo



O Ministério da Poesia Adverte:
Este poema é bobo - Como a poeta!

Ignore o excesso de açúcar que escorre das palavras...
É que é preciso adoçar com sonhos a paisagem
Para caminhar nas 24 do dia e ainda ser, ao fim de cada lida,
uma menina que rega flores, ama e acredita
em cada uma das coisas bonitas que aprendeu...

O Ministério da Poesia Adverte:
Ignore este poema bobo: - Que é apenas (m)eu!
Pois é sempre nosso tudo aquilo em que escolhemos acreditar
E cada ato é uma forma de procurar encontrar
Com a bondade que existe em nós...

O sol está posto à mesa e o Amazonas dança
Pássaros rasgam o céu de novembro, terna revoada
A natureza é o que é..Então, me diz por que será
Que ser gente é tão diferente?
A gente sente, a cada instante, quem é...

Mas ... ignore este poema bobo.

Estes dedos magros já falaram tanto disso tudo!
O mundo gira, circo, arte do absurdo: 
Aqui, todo mundo é um pouco equilibrista,
e o riso é parte da conquista, 
feito o pão nosso e a reza agradecida, ao fim de cada dia...

Mas, não ligues tanto assim para o verso posto
O Ministério da Poesia adverte: ignore este poema bobo!
Que é apenas (m)eu, um jeito de também ser Maria
E, como disse a tão bonita e cantada poesia 
ter sempre a  "estranha mania de ter fé na vida".

#


LUZ!

A Gentileza é um Super Poder! (Filosofia da Velha Boba)




Gosto muito da filosofia implícita que originou cada palavra de nossa língua materna. Penso que cada uma delas quer dizer muito mais do que simplesmente é...basta consultar sua história. Por exemplo, hoje é o dia nacional da Gentileza, uma das minhas palavras preferidas.
Gentileza é palavra oriunda do latim “Gen”, que significa conjunto de pessoas que possuem origem em comum, ou “Gentilis” , aqueles que são de mesma família ou clã. Assim, ser gentil é tratar como igual como igual, ou... ‘como gente’. A palavra tem também um antônimo em latim,  ‘gentios’, que significa ‘estrangeiro’.
O conceito evoluiu dentro deste contexto de honradez, com acepção mais ampla do que a mera cortesia (atos da corte). A cortesia é ato, fração externa da atitude. Gentileza é gesto, carícia  humana, parte essencial à formação de um bom caráter.
Portanto, para mim, é gentil quem tem gestos de bondade, de respeito e de proteção ao Universo individual que é ser humano. É gentil quem preza a honestidade, quem vive de acordo com que acredita, quem ama e dá amor como deseja ser amado, é gentil quem atravessa a vida sem ferir, tratando cada pessoa como a um familiar, na mais perfeita acepção que originou a palavra Gentilis.
Tratar com cordialidade é ato de boa educação. A cortesia é ato ‘gentio’, externa e estrangeira à pessoa. Tratar com gentileza é uma conduta...é, gentileza é mesmo uma lindeza de palavra. Sei também que, em um mundo tão complicado, onde o ego(ismo) impera, o conceito acaba por encolher. É uma pena.
Mas confesso que tenho sorte, pois nesse maravilhoso Universo, sei que desperto muito desse sentimento nas pessoas que sopram sua brisa sobre a minha vida. E, por justeza de caráter, é de mim fazer o mesmo, em um tipo de reciprocidade natural e feliz...é, sou uma velha boba mesmo. E gosto. 
Aliás, isso recordou que, há um tempo atrás, li um livro intitulado "O poder da Gentileza". A titulação trouxe a reflexão de que, se nós somos os heróis e os vilões desse imenso mundo, que nos cobra o exercício do contrário para sermos justos e corretos com a vida e com o outro, ser gentil é ter UM SUPER PODER, conferido pela Bondade.

Que isso se multiplique sempre em nosso caminhar.

Viva a gentileza!

LUZ!


* Fonte: www.fontedaspalavras.blogspot.com.br

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Das coisas que aprendi com o amor


O amor tem cheiro de chuva
Aroma de pureza
Amor tem gosto de riso
Leveza e verdade

- Amor é tudo aquilo que fala
Mais alto e mais forte em meio ao caos... -

Mas é também mistério...
alguma coisa que ainda não aprendi
Acho que não entendi e  nem sei
mas passo os dias de anotar percepções...

Pois nesse imenso Universo
todo mundo é aprendiz ...
Da flor à raiz - tudo leva tempo -
para o momento da floração...

Amor é fé que sopra no peito
E assopra a água e tudo que arde
deixa só o cheiro da chuva após a tempestade
dá um gosto bom...

Quem disse que foi o amor, quando doeu?
O amor não foi, eis o 'responso do eu'!
pois cada um é autor de seus próprios atos
E o amor assiste, desassossegado, a nossa dor...

Depois vem, quietinho, 
no silêncio da manhã ou no canto das aves matinais
dizer que é claridade de sol e leveza do ar
O importante é ser, doar, respirar...

#

*De uma conversa com a minha Maria, mais um poema de amor - esse mistério profundo, que a gente desvenda nas curvas do existir. 

LUZ!

Agradecimentos à uma xícara de café




Teu riso, Maria - foi isso!
Aquele toque das coisas etéreas...
Como se o mundo te visse só parcialmente
Como se tivesse cheiro de nuvem dentro de ti...

O que será que é,Maria?
Essa flor que sai das tuas mãos, na poesia mais doce
fala sempre em ternura! 
e não tem dureza que te impeça de dizer: 
Que o amor é bom...

Eis, que parece espelho,retrato
De tudo que eu ainda vou e quero ser
Quando crescer e esquecer essa complexidade juvenil
e virar de novo apenas uma rosa nascida em abril...

Rosa de meu pai, flor tua!
Há sempre pétalas nos olhos quando penso em ti
é como se tivesse um pontinho de luz, de carinho
Meu mundo é menos sozinho depois que enlaçou no teu...

E eu sei, Maria...é laço de poesia
E laço de poesia...é eterno!
E sei que não foi coincidência ou acaso
Mas sim a lei natural dos encontros...que uniu os pontos

A amizade, o tempo, espaço ...e os poemas.

#



* O nome desse poema tem a ver com a forma como conheci a minha Maria, alguma das almas gentis que a poesia aproximou. Ela, só de me olha...e saem flores. Sei lá...deve estar entre as coisas que, mais que escritas, foram poetizadas nas estrelas. 

Eu agradeço e cuido, que é  sempre a melhor forma de reverenciar o Universo.

LUZ!

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Comentários a respeito da vida (II)



São sim.
Ínfimos caminhos...desalinhos
riscados de giz nas paredes do tempo
-Nuvens passageiras, já dizia minha avó...

As  únicas coisas que ficam marcadas
Nas pedras da fortaleza do tempo
São as feitas de amor,bondade e alegria
O resto, é breve...chuva fina ao fim de um dia

Por isso, bem digo: Existir é fazer valer cada riso.

A febre já baixou, o sol já veio
Viu? uma noite ruim, às vezes vem e vai embora
Não fica na memória
Mera contagem aleatória no livro da vida...

Fecha os olhos e tenta recordar só o que importa:
Re-cor-dar! Que palavra bonita
as páginas cinzas das lembranças ficam todas coloridas
com os pincéis do coração...

Nesse mundo louco e misterioso
Pequeno ou grandioso, sob nosso tamanho
Cada dia feliz é um ganho impreciso
Missão cumprida, lição bem compreendida...

Por isso, repito: Existir é fazer valer cada riso.

#


Um dia cheio da missão: Sorrisos,bondade e alegria. :)

LUZ!


quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Acontecerá



Aproveito pequenos milagres
Gosto da vida - essa coisa bonita!
 que bate, beija, ensina...
E sei, ela também gosta de mim...

Acredito no dia que nasce
Sinto a força do sol do equador arder no coração
Por isso, sempre pago o preço de ser inteira
Desfaço a tristeza em nuvem passageira
Porque gosto de um céu bem azul...

Decidi, desde cedo, nos livros que li
Que tipo de persona queria ser
E dou cada passo com responsabilidade
Pois sei, cada vida que toco
é um pedaço de Deus que chega a mim...

Demoro para interpretar pessoas
Mas sei quando alguém está triste
Pois reconheço melhor emoções que palavras
E quanto mais o tempo passa
Mais entendo: elas não dizem nada...(Nada!)

É estranho, mas no correr dos (d)anos
Todo mundo já foi um pouco quebrado
Nesse planeta louco e acelerado
Vivo de colecionar, colar e refazer
Vitrais...

E eu me refaço quando a chuva cai...
Tenho medo, mas aceito
Cada pequena fragilidade
Pois sei que são o grande dom da humanidade:
é tão linda a habilidade de sentir...

Dentro de tudo que existe
Há tanta luz em cada pequeno detalhe!
 e tanto espaço para fazer  coisas bonitas!
E a alma sempre acredita
Na vida...que acontecerá.


#

Porque entre destino e arbítrio, sei que Ele nos dá possibilidades
Mas quem monta os retalhos de vida, somos nós....afinal " A gente leva da vida, a vida que a gente leva"...e também, aquelas em que tocamos.
E isso é um milagre.
*De concluir a linda leitura do clássico "Pollyana", um reencontro de infância.  :)


LUZ

terça-feira, 6 de novembro de 2018

O motivo



O que será que a gente era
Antes de se ser?
Deixo a vida acontecer...
No templo...movimento...avidez

Demoro a ter paciência com a vida
E ela revida com aprendizado
Como se tudo fosse um grande elo interligado
e não apenas o carbono do carbono - mera matéria...

A gente é o quê
No rolar das eras?
Vivo das infinitas questões
quase sem resposta...

Mas há flores do jardim
E elas dançam sob os ventos
De um estranho novembro
A mensagem é silenciosa e bonita:

Apenas seja, menina!
O resto é com a vida, que acontece
Segundo a segundo
Até mesmo o que chamas de mundo
Precisou de tempo para existir...!

O homem é o bicho mais imperfeitamente elaborado
Pois possui um coração misteriosos e raro
que manda no órgão central programado
E bagunça  tudo que a gente é...

Em meio a tanto caos em nós
O amor pode ser um erro de cálculo da natureza?
Não, o amor é a força mais poderosa e bonita
Suprema fortaleza, abrigo, motivo!
de tudo pelo qual viemos para cá....

#

Porque eu sempre ando pelo mundo ao lado das coisas que ainda preciso aprender, entender e viver. Aí, resolvi juntar algumas perguntas em uma poesia só. Que nosso dia seja cheio de...

LUZ!

domingo, 4 de novembro de 2018

O ciclo do Sol


A gente nasce com o sol
Todos os dias
Vai e volta com a maré
Dança com as cores do vento
Gira,feito ciranda, com o planeta
Em aleatório movimento...

E neste gira-mundo
Encontramos espelhos de nós e avessos
Acréscimos e entremeios
A gente corre com o planeta e o planeta muda
A cada giro, já não é o mesmo sol...

Tenho os mesmos braços, as mesmas mãos
 As mesmas pernas
E até o mesmo coração!
Mas acho que não são os mesmos calos
Vejo outras linhas e traços
Outros ângulos de mesmos espaços...

Ontem mesmo notei dois fios brancos nos cabelos...

É meio louco nascer de parto normal do sol
Mas assim é a roda dos dias
A gente também precisa aprender a mover...
- Então nasci para esse dia 04 de Dezembro
Com os olhos ternos de tantas primaveras!

Sinto o perfume das flores que já plantei...
Parece complexo e exótico, mas é simples: 
Somos nascimento e continuidade
Pois é preciso vento e tempestade
Para regar a raiz dos Ipês...



#

LUZ!

Pequenas notas sobre o Coração



Meu coração não é burguês
Nunca deu ou recebeu trocado
EXAGERADO
Sente a vida com inteireza.

Meu coração 
Não faz feira para vender miúdos
é filosofia, paixão, estrelas, mundos!
Vive de desvendar os infinitos...

Ah! Vive de certezas e de talvez
Mas sabe, a melhor verdade
é aquela construída no solo do dia a dia
só guarda tardes, risos e alegrias, 

gosta de estar,servir e amar...

E, no espaço de ser
Não mercantiliza afeto
Como se fosse grão
Multiplicado e perecível emoção...

Percebe o mundo a cada instante - Deslumbrado!
Meu coração  - EXAGERADO
Respeita sempre a dor e a maravilha de existir
Pois sabe o quão sagrado é o espaço do sentir...

#


LUZ!

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Depois da Chuva



Depois da chuva
é como se os pássaros
que mexiam, agitados, no peito
pudessem então descansar em si.
Que amor deve ser isso: Bênção;

A gente sempre ganha em acreditar...

Parece que foi ontem que te disse novamente 'olá'
Todos os instantes são mesmo assim...
Mistério e leveza!
Tocamos a vida das pessoas ,
E juntas, fazemos canções...

E  é mágico.
- às vezes, com mais de um ritmo
E mais de uma nota musical
E nisso, há tanta beleza! -

Passarinhos, cheios de sonhos
Estamos  aqui
Para aprender a voar e saber ser ninho
É tão particular o caminho!

Tão particular...

Depois de entender notas de silêncios
E desvendar resquícios de arco-íris
A chuva findou...
Mas deixou seu cheiro nesta tarde que se vai...

E o amor também deve ser isso: Perfume.

O coração das pessoas têm mistérios
e, na imperfeição da realidade
há tanta beleza!
E sei,  amor é isso: encontro de imperfeições.

Gosto do espelho d´água
Formado bem depois da chuva...
A vida revida e faz arte!
Gosto ainda mais do tempo depois da tempestade...

Do voo das andorinhas, que é um correr para chegar
e o amor deve de ser isso: estar inteiro em algum lugar.
E eu ainda faço versos e rimo toda poesia!
Depois da chuva, bem depois da chuva...

#

Às vezes, a gente só carece de fazer sentido.
E às vezes, faz tanto sentido que a gente demora a entender.
Mas ser gente é tão plural, quem sou eu para ser dona de outra verdade, que não a minha? Que sempre cresce e acresce um pouco mais de vida.
 :

LUZ!!!

Sobre Palafitas e a Maré de ser gente (Republicado)


Era um dia ensolarado, daqueles de doer nos olhos.

A beira do rio, à foz da fortaleza,  o Amazonas ardia e brilhava tanto, a ponto de encandear o olhar. Meu pai pescava com meus irmãos, embaixo de uma ponte, que unia as estradas entre Macapá e Santada, perto do Balneário, onde eu brincava com a filha do vizinho, sobre as palafitas que encobriam a superfície de barro, pois em tempo de maré baixa, abaixo das palafitas, morava apenas a argila, barro.

Por sobre as frestas da palafita, entre bonecas e panelinhas, meu olhar enxergou uma nota de um 'alto' valor - ao menos, para minha tenra infância. Era tempo de cruzado e minha mente hoje não sabe precisar, mas era como se fossem R$50,00 (Cinquenta reais).Empolgada, iniciei uma grande expedição de resgate do 'tesouro'.

Planejei milimetricamente, fui até o início da palafita e mergulhei naquele mar de lama. Peguei a tão sonhada nota e voltei, triunfante e suja até os cabelos.  Tomei banho e aguardei o pescador voltar com os frutos dos trabalhos do dia. Ele veio sorridente. Eu estava banhada e de cabelos trançados, balançando a nota, sorridente.

Aqueles olhos que chegaram brilhando fecharam o tempo. Perguntaram onde encontrei a nota. Respondi que foi embaixo das palafitas.  Ele disse: " E por que você pegou? não é seu. Devolva". Com a inocência de uma criança de sete anos, corri na direção da palafita e, entre as frestas, ensaiei jogar a nota de volta à lama.

Meu pai, interrompeu o ato e perguntou "Filha, mas foi assim que você pegou?". Inocentemente (e até bastante empolgada e orgulhosa), contei-lhe os detalhes da grande aventura.Meu pai, na sua sabedoria filosófica, falou: "Agora, tenha o mesmo trabalho para devolver, meu bem".

Entendi o que ele esperava, meio perplexa. Sob um sol que caía aterrorizante, vestida naquele vestido rosa clarinho, vergonhosamente mergulhei novamente por debaixo das palafitas, e vi a maré de perto, chegar e misturar à lama, à beleza do vestido, recém-perdida, ao estranho sentimento de que devia mesmo fazer aquilo. Assim, devolvi a nota, no mesmo exato lugar em que a peguei.

Ao voltar para casa, meu pai explicou o que eu precisava aprender, ao fazer aquilo: Que tudo que você subtrai de alguém, ainda que esta pessoa não saiba ou veja, faz com que você mergulhe na sujeira. E devolver é mergulhar nesta mesma lama, pedir desculpas e retornar, inteira. Tenho certeza que esta foi a  minha primeira lição sobre integridade.

...O tempo passa e aperfeiçoa a lição. Coloco essa memória deste dia de sol a serviço de quem sou, no instante. Tento ser a melhor profissional e pessoa que posso, para honrar a alegria de ter sido filha daquele cara incomum, nada convencional  e de longe, a pessoa mais HONESTA e uma das cinco pessoas mais INTELIGENTES que tive a honra de conhecer em toda a vida.

...O tempo passa e aperfeiçoa a lição. E, confesso, é difícil caminhar, em um mundo de pessoas que encontram e não devolvem a nota (seja ela monetária, seja um valor fora de mercado), ou que a devolvem pela fresta. Assim como é difícil mergulhar na lama de seus próprios erros, desfazer ou refazer pegadas, e assim fazer o que é certo. Confesso que tento. 

Não pelo mundo. Mas por mim e pela pessoa que fui ensinada a  ser...dentre universos tão complexos, fui muito abençoada, regada com as águas do amor e encaminhada para vir para o mundo bagunçar um pouco menos as coisas, me divertir, amar e aprender. Sei que,humana que sou, tenho algumas -poucas - notas comigo (todo mundo as tem).  Mas também, valores  tão fortes  quanto aquele olhar de prata derretida, que dizia o que o certo nunca deixa de ser o certo, não importa quantas vezes você faça algo diferente. Essa é uma lição fantástica. É forte.

Naquele dia, aprendi outra lição, que só entendi bem depois de 'gitinha': A vida, queridos, pode escrever certo por palafitas tortas. Ou escrever torto por palafitas bem certinhas. A mim, não cabe ainda entender. Só tentar caminhar por aqui, com minha (im)própria bagagem, em busca de amar, aprender e fazer o bem.


É certo que não tenho curso de vida,  em quase tudo sou "amadora"...mas que palavra linda! Se, por um lado quer dizer "não especializada", por outro, significa: namorada, curiosa, apreciadora. Por isso, como boa namorada da vida, torço para que o tempo  surpreenda positivamente e encaminhe nossas mentes e corações pelas palafitas da vida ...para a felicidade.



#


Obs: Não seja a 'nota' doída na vida de ninguém. 
Mas, principalmente, não faça isso com quem trocou vida, alma e amor ...neste Universo enorme, que já precisa tanto que sejamos fraternos e melhores uns para os outros.
Isso faz tanto sentido e tem tanto significado de na vida de cada um. 

LUZ!