segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Sobre Roseiras, Vincas e os amores fáceis (Devaneio de Jardineira)



Sempre amei Roseiras. Rosas são flores delicadas, de pétalas aveludas, cujas cores,  parecem  desenhos, pintados à mão.  Durante muito tempo, fiz festa para cada rosa que ganhei. Meu pai mesmo, fez questão de fazer suas flores (Eu e minha irmã), a quem chamava de flores de janeiro e abril, apreciarem o gesto.
Quando fui morar só, antes de ter um sofá, eu tive uma planta. E foi uma festa colocar aquela ‘vinca’ enorme, cor de rosa, na beira da minha porta.Mas …faltava a minha roseira.
Um dia, em uma quinta calorenta, eu a encontrei. Ela era doce, num tom rosa pálido e tinha uma única rosa pendendo, feito um pingente: meu imenso amor de veludo!
A senhorinha sábia da minha barraca preferida de plantas da feira maluca disse que esta era uma roseira especial, tipo argentina. Neste mesmo dia, comprei uma vinca branca, para dar uma clareada no jardim. E a roseira deu rosas lindas. Espetaculares! Por um tempo, foi a rainha do baile na minha pequena varanda. Ficava embaixo da minha janela, para abrir os olhos para o dia, sempre junto dela.
Depois de aproximadamente um ano e meio, a despeito de todos os meus cuidados, deu de ressecar. E foi um tal de “salve a roseira do meu jardim”! Para tanto, cerquei-a de cuidados: melhor terra, melhor adubo, tempo adequado e quantidade de água certa. …mas enfim, aquele doce pé de rosa ganhou o infinito. Senti muito. Confesso que guardei sua última flor, que ressecou tão perfeita, que fica na minha parede, lembrança da vida que já abrigou.

No meio dessa correria e expectativa, a pequena vinca florescia e aumentava de tamanho, silenciosa e matreira. Já deu filhinhos, que vez ou outra, dou de presente a quem está na minha vida e aprecia jardinagem.
Dia desses, um desses filhos foi plantado no mesmo vaso que uma roseira menina, que havia acabado de ganhar. Não deu outra: a roseira já foi dormir e o pezinho de vinca é o novo dono do lar.
Dei de gostar de vincas. Gosto das cores, de como dão flor de janeiro a janeiro, de como recebem qualquer terra e já ficam ainda mais enfeitadas, agradecidas e agraciadas.
Vejo a lua e os fins de tarde através delas, inclusive. Hoje, moram comigo três brancas, duas cor de rosa e uma vermelha. São as damas do jardim.
Com o tempo, deixei de sentir falta das rosas. Ainda as amo e tenho uma delas no jardim, nesse momento. Mas sou mesmo grata às vincas, que há mais de cinco anos trazem tanta cor ao meu pequeno reino.
Penso que a vida e o amor são mais ou menos assim, também:  Você planta de várias formas, do mais intenso e exótico, ao simples e natural, mas florescem, os amores fáceis. Pois, a vida precisa  ser macia e encantada, mas também real e possível.

E isso não está errado, nem é mera coincidência.
Cada vez que rego as plantas no meu jardim, vejo um recado do infinito!


Nenhum comentário:

Postar um comentário